Azeite neles!

Descobri o azeite através da Dayany Spiridon e me apaixonei pelos seus cabelos e sua personalidade. Por meio dela comecei a cuidar dos meus cabelos cacheados e a hidrata-los com azeite fazendo umectação. Meus cabelos foram da água para o vinho visivelmente e em pouquíssimo tempo.

Vamos ver seus benefícios para os cabelos( pois tenho certeza que vocês conhecem em relação a alimentação) :

  • Produz efeito protetor e tônico;
  • Hidrata e suaviza
  • Purifica
  • Equilibra a oleosidade
  • Dá brilho
  • Vários antioxidantes, como Vitamina A e Vitamina E
  • Crescimento capilar
  • Reduz as pontas duplas…

 

Como eu uso:

Eu faço umectação, ou seja, passo cerca de 80 ml ou mais de azeite no meu cabelo a noite e no dia posterior eu lavo o cabelo normalmente.

O utilizo também como reparador de pontas, mas tenham cuidado para não colocar muito.

 

Tipos de azeite de oliva

– Refinado:
o processo de refinamento inclui o uso de solventes e altas temperaturas para eliminar sabores ruins originados por produtos de oxidação durante o processo de produção. Isso permite o uso de azeitonas que não estejam em perfeito estado, além de poder ser misturado com outros tipos de óleos. Este tipo de azeite é vendido como “azeite de oliva puro” e é o que suporta maior temperatura de aquecimento sem perder suas propriedades. Alguns azeites podem ser produzidos pela mistura do óleo refinado e do não refinado.

– Não refinado:
óleos de oliva não refinados não passam pelo processo de refino químico, e o processo de produção consiste apenas na extração e engarrafamento. Para manter a qualidade do produto, nesse caso os produtores tem que usar frutos em excelentes condições e selecionadas, pois não são retirados possíveis produtos de contaminação e oxidação. Esse tipo não suporta o aquecimento, se oxidando com maior facilidade que o refinado. Os azeites virgens e extra virgens são tipos não refinados.

– Extra virgem:
o azeite extra virgem conserva o sabor da oliva intacto, sendo feito com grande cuidado durante todo o processo produtivo. Se o óleo não apresenta “defeitos” de sabor e preenche alguns requisitos químicos que evidenciam sua qualidade ele pode ser então classificado como extra virgem. É o tipo que apresenta menor acidez (menos que 0,8%) e é considerado o mais saudável por ter a maior quantidade de nutrientes.

– Virgem:
também é um óleo não refinado, porém de qualidade um pouco inferior ao extra virgem e com índice de acidez um pouco maior, de até 2%.

Beijos, e comentem qualquer dúvida, como você usa ou simplesmente deem um oi!

Referências:

mundoboaforma

beleza e saúde

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s